Sexta, 23 de Junho de 2017 | TELEVENDAS: (11) 3256-4444 Busca
INSTITUCIONAL
Quem somos
Entre em contato
Seja nosso autor
CATÁLOGO
Brasileiros
Estrangeiros
Interesse Geral
Infanto-Juvenil
Jardim dos Livros
LIVROS
Por Título
Por Autor
Lista de Preços
ACONTECE
Links
Fotos
Eventos
Leio Geração
IMPRENSA
Release
Geração na Mídia
Banco de Imagens
DOWNLOADS
E-books
Wallpaper
PONTOS DE VENDA
Livrarias/Distribuidores
Cadastro
 
Busca     
UM DESPERTADOR PARA MULHERES DE TODAS AS IDADES
Bruna Gasgon, uma das palestrantes mais requisitadas da atualidade, convida as belas adormecidas a acordar e a assumir o controle de suas vidas

Durante séculos, as princesas de contos de fada foram impostas às meninas como modelos de comportamento. Nessas histórias fantasiosas a mulher sempre depende do amor, da coragem e da benevolência de algum homem para ser salva. Chapeuzinho Vermelho e sua avó deveram suas vidas a um valente caçador. Cinderela, maltratada pela madrasta e pelas irmãs invejosas, precisou que um príncipe lhe colocasse o sapatinho de cristal, se casasse com ela e a afastasse dos maus-tratos que sofria em casa. Branca de Neve foi resgatada da morte pelo beijo de um príncipe; a Bela Adormecida também foi salva dessa forma, mas não da morte, e sim de um sono que durou 100 anos! Isso mesmo: 100 anos dormindo, até que o encanto foi desfeito e ela pôde acordar e ser feliz. Todas essas heroínas viveram felizes para sempre. 

Gerações de meninas cresceram acreditando nisso e aguardando o tal príncipe encantado para resgatá-las da solidão, da solteirice e da pobreza. E até hoje ainda é assim, está enraizado no inconsciente coletivo feminino. Isso acarretou séculos de sujeição da mulher ao homem e a completa repressão dos seus desejos, vontades e aspirações, sejam profissionais, sexuais ou afetivas. Muitos homens, no fundo, continuam achando que mulheres são inferiores, menos inteligentes que eles, e que, se usam roupas ousadas, estão “dando mole” e podem, portanto, ser molestadas.  

O livro A Bela Adormecida Acordou, para você, mulher, que assim como eu, atravessou do século XX para o XXI (Jardim dos Livros, R$ 24,90, 112 páginas), da autora Bruna Gasgon, é um verdadeiro despertador para as mulheres que permanecem “dormindo”, ou que querem acordar mas ainda têm medo, por culpa ou por diversas outras razões, de se aventurar a buscar sua felicidade e uma vida plena por conta própria — e não apenas graças ao amor ou à boa vontade de um homem —, este livro incrivelmente moderno, lúcido e bem-humorado foi escrito por uma mulher muito bem resolvida em todas as áreas, que, desprovida de qualquer viés feminista, sempre se sentiu inconformada pelo modo como as mulheres eram e são tratadas pelos homens na família, socialmente, sexualmente e no mercado de trabalho. 

“Quando eu era pequena, não entendia por que meu pai não deixava minha mãe trabalhar, dirigir automóvel e sair com as amigas; não entendia por que eu e minha irmã tínhamos tratamento e educação totalmente diferentes de meu irmão; não entendia por que quando uma mulher se desquitava (não havia divórcio) ela era malvista, isolada por casais de amigos, e seus filhos eram discriminados na escola; não entendia por que eu e minha irmã, se quiséssemos trabalhar, teríamos apenas duas opções: ser professora ou secretária; não entendia por que meu destino já estava traçado: casar aos 21 anos e ter três filhos. Quem disse que eu queria essa vida? Nossos pais decidiam quase tudo por nós.” 

Hoje, apesar de tantas conquistas femininas, ainda há mulheres acorrentadas por preconceitos residuais ou por suas próprias culpas e conservadorismo. A proposta de Bruna Gasgon é que as mulheres acabem com isso, que se libertem do passado, olhem para frente e façam a diferença, deixando de se autossabotarem. Ou seja, que acordem. Que despertem para o exercício pleno da sua cidadania, que exijam dos homens respeito incondicional, que jamais tolerem agressão física, que nunca tenham vergonha de denunciar assédio sexual e estupro; e que despertem também para o fato de que, não importa a sua idade, sempre é tempo de terminar um casamento ruim, de assumir sua real sexualidade, de viajar, mudar de profissão, atitudes, modo de vestir, e de parar de fazer o que não gosta só para agradar os outros. 

Nascida na década de 50, Bruna constatou que as mulheres de gerações anteriores à sua viveram enclausuradas em regras e preconceitos ridículos, e as que ousaram ser diferentes conheceram o inferno. Mesmo as da sua geração e da seguinte ainda se policiam em muitas coisas que desejam fazer, açoitadas por medo e culpa. 

“Se você nasceu entre os anos 50 e 70, vai entender perfeitamente tudo o que abordarei nesse livro, pois vivenciou os fatos. E se você é muito, muito jovem, vai saber como sua bisavó, sua avó e mesmo sua mãe sofreram e como algumas mulheres ainda ralam em busca de felicidade e acabam dessa forma abrindo caminho para que você faça suas próprias escolhas e se orgulhe delas. Se hoje, sem problema algum, você dorme com seu namorado em sua própria cama na casa de seus pais, é porque lá atrás alguma de nós estava sendo chamada de ‘menina fácil’.” 

Estimulante e muito divertido, o livro de Bruna Gasgon aborda os seguintes temas, que continuam a causar polêmica: 

Alguém ainda espera o Príncipe Encantado? 

Sexo: trate bem o seu tesão 

Para que serve o casamento? 

O direito de não querer ter filhos 

Mulheres que preferem mulheres 

Nós, mulheres, tudo podemos porque somos livres

Faça aqui o download dos arquivos relacionados a esse livro:
Capa Visualizar Download
Autor(a) Visualizar Download

Untitled Document
A Bela Adormecida Acordou
Bruna Gasgon
Um livro para as mulheres modernas que querem acordar e assumir o controle de suas vidas.
Segredo Segredíssimo
Odívia Barros
A Geração mais uma vez sai na frente e lança um livro pioneiro e polêmico: uma história para crianças que as ensina a se protegerem contra o abuso sexual infantil.
Cartas Anônimas
Fernando Vita
Em Todavia, pequena cidade baiana, os habitantes trocam cartas anônimas numa trama pitoresca, picante e alucinadora que espanta e diverte.

Titília e Demonão
Paulo Rezzutti
Cartas do Imperador D. Pedro I para a Marquesa de Santos que se imaginavam perdidas foram encontradas num arquivo dos EUA e revelam aspectos inusitados da corte.
Sangue e Entranhas
Richard Hollingham
Na linha do megassucesso A assustadora história da medicina, o autor revela as mais horripilantes histórias dos pioneiros da cirurgia, e ilustrações de casos sensacionais.
Um Amor Exclusivo
Johanna Adorján
Um casal de idosos que se amavam se suicida num domingo. Por quê? Como? A neta investiga essa história real e o resultado é um romance comovente, que faz rir e chorar.
O burocrata e o presidente
Afonso Oliveira de Almeida
Burocrata e escritor talentoso que conhece como ninguém os labirintos burocráticos de Brasília nos diverte com um olhar às vezes afetuoso, às vezes crítico, sobre o governo Lula.
Um Diário para Jordan
Dana Canedy
Antes de dormir, um sargento americano fazia questão de anotar o seu dia no Iraque em um diário. Essa é a única recordação que ficou para o seu filho recém-nascido.

A Mulher dos Sapatos Vermelhos
Carlos Herculano Lopes
O Escritor mostra mais uma vez a sua criatividade e ousadia na criação literária. A obra é uma compilação de 41 crônicas, sobre os mais diversos temas.