Segunda, 21 de Agosto de 2017 | TELEVENDAS: (11) 3256-4444 Busca
INSTITUCIONAL
Quem somos
Entre em contato
Seja nosso autor
CATÁLOGO
Brasileiros
Estrangeiros
Interesse Geral
Infanto-Juvenil
Jardim dos Livros
LIVROS
Por Título
Por Autor
Lista de Preços
ACONTECE
Links
Fotos
Eventos
Leio Geração
IMPRENSA
Release
Geração na Mídia
Banco de Imagens
DOWNLOADS
E-books
Wallpaper
PONTOS DE VENDA
Livrarias/Distribuidores
Cadastro
 
Busca     
AMOR E PAIXÃO NA MAIOR DESCOBERTA DE DOCUMENTOS DA HISTÓRIA DO BRASIL
Geração traz 94 cartas inéditas do imperador Pedro I à sua amante, a marquesa de Santos, encontradas por um pesquisador independente

No segundo semestre de 2010, foram encontradas quase por acidente, em um obscuro museu nos EUA, nada menos que 94 cartas do imperador Pedro I à sua célebre amante, Domitila de Castro, a marquesa de Santos, escritas entre 1823 e 1827, logo depois desaparecidas e esquecidas.

 Paulo Rezzutti, o autor dessa descoberta sem paralelo na nossa história, atribui o achado à intervenção de “Santa Domitila”, cujo túmulo no Cemitério da Consolação é visitado até hoje por moças que vão lá rezar para pedir um marido.  

Muito antes, porém, de ser considerada santa por alguns, Domitila de Castro, uma jovem paulista divorciada, teve um envolvimento bastante profano com o primeiro imperador do Brasil, e esse romance proibido foi o grande escândalo de sua época, chegando a repercutir nas cortes europeias. Pois, não contente em trazer a sua amante paulista para a corte no Rio de Janeiro, nomeá-la marquesa e torná-la dama camarista da bondosa imperatriz Leopoldina, dom Pedro ainda fez criar os filhos que teve com Domitila ao lado dos meios-irmãos legítimos. 

Essa ruidosa aventura extraconjugal, que constitui o maior romance da nossa história, ficou registrada, em parte, nas cartas que o imperador, assinando como “O Demonão”, escreveu para ela, a quem chamava de “Titília”. Algumas dessas cartas são explícitas a ponto de dom Pedro falar da “tua coisa”, referindo-se ao próprio pênis, e das vicissitudes sofridas por este (carta 70). Em outra ocasião (carta 24) diz que naquela noite irá “aos cofres” de Domitila, eufemismo para aquilo mesmo. 

Talvez o mais divertido destas missivas sejam os insistentes protestos de fidelidade do mulherengo coroado, tentando acalmar as crises de ciúme da amante, sobretudo por sabermos que ele teve outras mulheres durante seu caso com Domitila, inclusive a própria irmã desta! 

Eu já não namoro a ninguém depois que lhe dei minha palavra de honra, e assim não lhe mereço teus ataques. (carta 50) 

Mas os ciúmes dele por Domitila não são menos intensos, a ponto de o Libertador reclamar do número de carruagens na casa da marquesa, que lhe parece suspeito (carta 61). 

O lirismo não está ausente nessas confissões tão íntimas: 

Ontem mesmo fiz amor de matrimônio para que hoje, se mecê estiver melhor e com disposição, fazer o nosso amor por devoção. (carta 9) 

Quase todas as cartas são assinadas pelo “fiel, desvelado, constante e agradecido amante”, mas o vocativo e a assinatura variam conforme a temperatura da paixão. Quando esta se encontra no auge, ela é “Titília” e “Meu amor”, ele é “O Demonão” ou “Fogo Foguinho”; à medida que vai esfriando, ele passa a ser “O Imperador” e “Pedro”, enquanto ela se torna “Filha” e “Querida Marquesa”. 

Não só a transcrição das cartas pelo Paulo Rezzutti é impecável, como também o são os comentários com que ele as explica e lhes dá contexto, proporcionando ao leitor uma aula enriquecedora e muitíssimo agradável sobre um dos períodos — e sobre alguns dos personagens — mais fascinantes da nossa História.  

Além das 94 cartas descobertas por ele na Hispanic Society of America, em Nova Iorque, 17 foram acrescentadas no final deste livro como anexos, algumas inéditas, outras não, todas transcritas diretamente dos originais, corrigindo inexatidões anteriores. Entre esses anexos estão algumas das poucas cartas de Domitila para d. Pedro de que temos notícia. Ilustrado, o volume contém também uma cronologia, índice onomástico e índice de lugares. 

Constatar a profunda humanidade do imperador do Brasil é o maior deleite que a leitura de suas cartas à amante proporciona. Muitas poderiam ter sido escritas por qualquer plebeu à sua namorada. Por diversas vezes o soberano pergunta simplesmente como ela tem passado, ora anuncia que irá vê-la à noite, ou que está lhe mandando frutas, flores, goiabada ou “bolos de cutia” (carta 26). Também comenta o tempo todo, pai carinhoso que é, sobre a saúde dos filhos, tanto os legítimos quanto os bastardos. 

Desse estilo nada protocolar, totalmente informal e gramaticalmente deficiente do monarca, jorra um manancial de fatos históricos (devidamente identificados e esclarecidos nos comentários), além de descortinar, por meio dos detalhes prosaicos, um rico painel da vida cotidiana e dos costumes do Brasil durante o Primeiro Reinado. 

Já em vida, dom Pedro I e a marquesa foram vítimas de muita calúnia e difamação, acusados até de terem assassinado a gentil imperatriz Leopoldina (ver anexo 12). Após a proclamação da República, em 1889, durante o processo positivista de demonização da monarquia e da família imperial, dom Pedro foi reduzido a um maníaco sexual, amalucado e epilético, e a marquesa de Santos a uma oportunista que atuava nos bastidores do poder como uma espécie de madame Pompadour tupiniquim.  

Mais que qualquer coletânea de cartas de dom Pedro publicadas antes, esta edição derruba tais exageros, simplificações e distorções da realidade. Por exemplo, sobre o mito de que a marquesa manipulava o soberano, ele mesmo desmente tal visão ao se desculpar, numa carta (a de número 29) por não poder atender ao pedido da amante de nomear certo amigo dela para um cargo no Exército. E em outra contribuição importante para o estudo do Primeiro Reinado, este livro sugere que a última carta de dona Leopoldina — em que a imperatriz agonizante acusa Pedro e Domitila de haverem causado a sua morte — foi provavelmente forjada pelos inimigos do imperador à época de sua abdicação. 

Doravante nenhum estudo abrangente sobre o Libertador do Brasil poderá prescindir do exame destas cartas inéditas, escritas sob o calor das mais humanas emoções — o amor e a paixão — por um dos mais humanos vultos da nossa História.

Faça aqui o download dos arquivos relacionados a esse livro:
Capa Visualizar Download
Autor(a) Visualizar Download
Cardeno de Fotos Visualizar Download
Cardeno de Fotos Visualizar Download
Cardeno de Fotos Visualizar Download
Cardeno de Fotos Visualizar Download
Cardeno de Fotos Visualizar Download

Untitled Document
A Bela Adormecida Acordou
Bruna Gasgon
Um livro para as mulheres modernas que querem acordar e assumir o controle de suas vidas.
Segredo Segredíssimo
Odívia Barros
A Geração mais uma vez sai na frente e lança um livro pioneiro e polêmico: uma história para crianças que as ensina a se protegerem contra o abuso sexual infantil.
Cartas Anônimas
Fernando Vita
Em Todavia, pequena cidade baiana, os habitantes trocam cartas anônimas numa trama pitoresca, picante e alucinadora que espanta e diverte.

Titília e Demonão
Paulo Rezzutti
Cartas do Imperador D. Pedro I para a Marquesa de Santos que se imaginavam perdidas foram encontradas num arquivo dos EUA e revelam aspectos inusitados da corte.
Sangue e Entranhas
Richard Hollingham
Na linha do megassucesso A assustadora história da medicina, o autor revela as mais horripilantes histórias dos pioneiros da cirurgia, e ilustrações de casos sensacionais.
Um Amor Exclusivo
Johanna Adorján
Um casal de idosos que se amavam se suicida num domingo. Por quê? Como? A neta investiga essa história real e o resultado é um romance comovente, que faz rir e chorar.
O burocrata e o presidente
Afonso Oliveira de Almeida
Burocrata e escritor talentoso que conhece como ninguém os labirintos burocráticos de Brasília nos diverte com um olhar às vezes afetuoso, às vezes crítico, sobre o governo Lula.
Um Diário para Jordan
Dana Canedy
Antes de dormir, um sargento americano fazia questão de anotar o seu dia no Iraque em um diário. Essa é a única recordação que ficou para o seu filho recém-nascido.

A Mulher dos Sapatos Vermelhos
Carlos Herculano Lopes
O Escritor mostra mais uma vez a sua criatividade e ousadia na criação literária. A obra é uma compilação de 41 crônicas, sobre os mais diversos temas.