Segunda, 23 de Outubro de 2017
HOME  |  DÚVIDAS
 
 
Busca 
INSTITUCIONAL
Quem somos
Entre em contato
Seja nosso autor
CATÁLOGO
Brasileiros
Estrangeiros
Interesse Geral
Infanto-Juvenil
Jardim dos Livros
LIVROS
Por Título
Por Autor
Lista de Preços
ACONTECE
Links
Fotos
Eventos
Leio Geração
IMPRENSA
Release
Geração na Mídia
Banco de Imagens
DOWNLOADS
E-books
Wallpaper
PONTOS DE VENDA
Livrarias/Distribuidores
Cadastro
 
   

Todos Nós

Criamos um espaço exclusivo para os autores novos, o Todos Nós. Teremos o maior prazer em ler seu trabalho inédito. Os melhores serão publicados no nosso site, e o autor ganhará um prêmio-surpresa. Participe, caro escritor. Envie o texto com seu nome, endereço completo e telefone para todosnos@geracaobooks.com.br

Todos Nós tem 9 artigos publicados (veja a relação).
Casamento
25-06-2010

Por Gian Danton

http://ivancarlo.blogspot.com/

Esse foi o conto vencedor do Concurso Todos Nós de Junho de 2010.

Américo só percebeu que se metera numa enrascada quando já estava casado. A esposa era uma megera. Tratava-o por palerma, idiota, desengonçado... Certo dia, como ele encontrasse dificuldade em consertar um chuveiro, a mulher acrescentou um novo adjetivo á coleção:

- Nem pra isso você serve, seu imprestável!?!

Imprestável. Parece que gostou do termo, pois passou a usá-lo em todas as frases dirigidas ao marido:

- Venha jantar, seu imprestável!

- Faça a barba, imprestável...

Com o tempo, Américo foi abandonando todos os seus prazeres. Deixou de comprar livros (ela sempre reclamava dos gastos com esse tipo de bobagem...), deixou de visitar os amigos e, por fim, desistiu até de assistir seus programas prediletos na TV. Isso porque, sempre que estava assistindo algo, ela o chamava com o pretexto de trocar uma lâmpada, enxugar a louça do jantar ou fazer qualquer outro desses serviços domésticos.

- Você lavou a louça e não enxugou, seu imprestável! - arrematava ela, como agradecimento.

À medida que o humor da esposa ia piorando, também ia aumentando seu sedentarismo. Até o ponto em que os vizinhos só tomavam conhecimento dela através dos gritos histéricos com que ela recebia o marido todas as noites...

Depois de muitos anos trabalhando sempre no mesmo serviço burocrático, chegando em casa sempre à mesma hora, Américo teve, finalmente, uma atitude que se poderia chamar de autônoma. Chegou em casa com um belo aparelho de som. A esposa que já o esperava pronta para reclamar do atraso, não se conteve:

- Para que isso, seu imprestável? Não sabe que eu não gosto de música?!?

E desatou a reclamar por duas horas inteiras. Américo gravou tudo. E gravou também a reprimenda do dia seguinte, e do outro. Quando achou que já tinha o suficiente, esganou a esposa e enterrou o corpo no porão.

A partir de então chegava em casa toda a noite e ligava o toca-fitas com os gritos dela. Depois ligava a TV, ou pegava um livro, e se divertia pelo resto da noite. Os vizinhos, acostumados a só saberem da mulher pelos seus tremendos gritos, nunca desconfiaram de nada. Pelo contrário. De vez em quando algum vizinho pensava consigo:

- Coitado do Seu Américo. Agüenta poucas e boas da sua mulher. Se fosse eu, já a tinha matado...
COLUNA
Claudio Humberto
 
COLUNA
Celso Lungaretti
 
ARTIGO
Cristovam Buarque
 
INéDITO
Fernanda Emediato
 
PENSATA
Hélio Schwartsman
 
INéDITO
Hermes Ursini
 
CRôNICA
Luiz Fernando Emediato
 
INéDITO
Marçal Aquino
 
CRôNICA
Tais Morais
 
ESTRéIA
Todos Nós